Curta a nossa página!

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

VOLTA ÀS AULAS PARTE 5.


Dinâmicas divertidas
Provocar a intimidade entre os alunos faz com que eles se sintam mais confortáveis no ambiente escolar e facilita a avaliação do corpo docente. As atividades em grupo e a atenção do professor devem respeitar a individualidade e as características pessoais de cada aluno. Confira algumas sugestões e estimule a autoestima, a interação, o autoconhecimento e a criatividade de seus alunos.

 "É importante conhecer o grupo com o qual vai trabalhar e também é bom que eles se conheçam entre si. Essa dinâmica faz com que cada um fale um pouco de si sem ficar aquela coisa chata e arrastada, parecendo entrevista de TV.


Distribuo balas coloridas ou jujubas aos alunos (podem ser 2 ou 3 para cada um) e peço que as deixem em cima da carteira. Então especifico as cores (que você pode especificar de acordo com o que quiser saber a respeito de seus alunos). Por exemplo, numa classe não muito numerosa – 15 alunos, por exemplo – e na faixa de 10 a 14 anos, faço mais ou menos o seguinte:

verde – escola (o aluno se apresenta e fala onde estuda, que curso faz, que matérias gosta ou não gosta, etc)

azul – família e casa (ele se apresenta e fala de sua família, onde mora, se tem bicho de estimação, onde seu pai e sua mãe trabalham, se ele se dá bem com os irmãos ou não, etc)

vermelho – lazer (ele fala tudo o que gosta de fazer quando não está estudando.

Vou chamando cada aluno e ele vai escolher uma das duas ou três cores que tem para falar. Se escolher a vermelha, por exemplo, vai falar sobre lazer.

Depois que cada um fala, você pode perguntar ao grupo se querem perguntar mais alguma coisa relacionada ao que o aluno estava falando. Eu normalmente pergunto, se o aluno diz que tem um irmão pergunto se é mais velho ou mais novo, se se dão bem, etc. Se diz que tem cachorro, pergunto o nome, se sabe fazer gracinhas, se tem manias, etc.

Se forem alunos maiores você pode mudar os critérios, acrescentar outros como vida amorosa, vida profissional, religião, etc… Aí fica a seu critério.

Gosto de fazer essa dinâmica com classes que estão começando porque ajuda a guardar os nomes dos alunos (muito importante) e também tanto eu quanto a classe em geral ficamos sabendo um pouco mais sobre eles.

Claro que depois que a dinâmica termina, eles têm autorização para comer as balas."




 Uma boa dinâmica para a primeira aula é o jogo "Quem sou eu". Para preparar é fácil e você vai conseguir com que todos aprendam os nomes um dos outros e será uma ótima oportunidade para você também aprender. Nas classes de inglês será uma boa oportunidade de revisar vocabulário básico, o verbo 'to be' e as pessoas do singular (I, you, he, she) se feito em inglês. O mesmo acontece em espanhol, mas você pode simplesmente fazer o jogo em português se não dá aula de inglês ou espanhol.

Faça quadrados de cartolina com figuras das palavras que vai usar no jogo, coisas básicas e que tenham aprendido no ano anterior se for professor de inglês ou espanhol, ou qualquer objeto se for fazer o jogo em português. Deve fazer os quadrados de cartolina ou qualquer outro papel grosso no mesmo número de alunos + 1, que você usará.

Coloque-os em círculo (de preferência), distribua os cartões para os alunos, pedindo que não mostrem ainda uns aos outros. Comece mostrando o seu e diga, em português, inglês ou espanhol, conforme o caso:

- Eu sou Fulano e sou um(a) - diga o nome da figura que está no seu cartão. Uma bola, por exemplo.

Aponte um aluno aleatoriamente, que dirá para você na língua do jogo:

- Você é Fulano e é uma bola, eu sou Beltrano e sou uma bicicleta.

Ele deve então apontar outro aluno, que olhará para você e dirá:

- (apontando o aluno anterior) Ele é Beltrano e é uma bicicleta, você é Fulano e é uma bola, eu sou Sicrano e sou um livro.

Cada aluno apontado deve dizer tudo que os outros disseram, apontando cada aluno e finalizando sempre com 'você é Beltrano e é uma bola, eu sou .... e sou um(a) ...

Você pode colocar figuras que vão ficar engraçadas ditas pelos alunos, e eles vão se divertir enquanto vão memorizando os nomes uns dos outros. Na verdade essa dinâmica é uma boa ajuda para que você também aprenda os nomes deles, o que é desejável em um professor, que no mínimo saiba o nome de seus alunos.



 Objetivos:
Desenvolver a expressão oral
Socializar
Dar noções rítmicas
Trabalhar a percepção auditiva
Dramatizar



História cantada
Materiais:
Instrumentos musicais de brinquedo (opcional)
Conte livremente a história “Os músicos de Bremen”, que fala sobre um burrinho que, abandonado pelo dono por já estar velho demais, decide realizar seu sonho de ir a Bremen, a cidade dos músicos, e se tornar um flautista famoso. No caminho ele encontra um cão, um gato e um galo, e propõe aos novos amigos que sigam juntos para Bremen e lá formem uma banda. A partir desse ponto, invente diversas aventuras e peça aos alunos para fazerem barulhos e tocarem instrumentos que ajudem a narrar o conto. A sonoplastia criativa das crianças será motivo de risadas e diversão durante a aula. Outra sugestão é produzir uma peça, para que as crianças dramatizem os animais da história.



de Jakob e Wilhelm Grimm, numa adaptação do Livro Contos de Fadas



"Um homem tinha um burro que, há muito tempo, carregava sacos de milho para o moinho. O burro, porém, já estava ficando velho e não podia mais trabalhar. Por isso, o dono tencionava vendê-lo. O pobre animal, sabendo disso, ficou muito preocupado, pois não podia imaginar como seria seu novo dono... e então, para evitar qualquer surpresa desagradável, pôs-se a caminho da cidade de Bremen.

"Certamente, poderei ser músico na cidade", pensava ele.
Depois de andar um pouco, encontrou um cão deitado na estrada, arfando de cansaço.
- Por que estás assim tão fatigado? perguntou o burro.
- Amigo, já estou ficando velho e, a cada dia, vou ficando mais fraco. Não posso mais caçar; por isso meu dono queria me entregar à carrocinha. Então, fugi, mas não sei como ganhar a vida.
- Pois bem, lhe disse o burro. Minha história é bem semelhante à sua. Vou tentar a vida como músico em Bremen. Venha comigo. Eu tocarei flauta e você poderá tocar tambor.

O cão aceitou o convite e seguiu com o burro. Não tinham andado muito, quando encontraram um gato, muito triste, sentado no meio do caminho.
- Que tristeza é essa, companheiro? lhe perguntaram os dois
- Como posso estar alegre, se minha vida está em perigo? respondeu o gato. Estou ficando velho e prefiro estar sentado junto ao fogo, em vez de caçar ratos. Por esse motivo, minha dona quer me afogar.
- Ora, venha conosco a Bremen, propuseram os outros. Seremos músicos e ganharemos muito dinheiro.

O gato, depois de pensar um pouco, aderiu e acompanhou-os. Foram andando até que encontraram um galo, cantando tristemente, trepado numa cerca.
- Que foi que lhe aconteceu, amigo? perguntaram os três.
- Imaginem, respondeu o galo, que amanhã a dona da casa vai ter visitas para o jantar. Então, sem dó nem piedade, ordenou ao cozinheiro que me matasse para fazer uma canja.
Os outros, então, lhe propuseram:
- Nós vamos a Bremen, onde nos tornaremos músicos. Você tem boa voz. Que tal se nos reunissemos para formar um conjunto?
O galo gostou da idéia e juntando-se aos outros seguiram caminho.

A cidade de Bremen ficava muito distante e eles tiveram que parar numa floresta para passar a noite. O burro e o cão deitaram-se em baixo de uma árvore grande. O gato e o galo alojaram-se nos galhos da árvore.
O galo, que se tinha colocado bem no alto, olhando ao redor, avistou uma luzinha ao longe, sinal de que deveria haver alguma casa por ali. Disse isso aos companheiros e todos acharam melhor andar até lá, pois o abrigo ali não estava muito confortável.

Começaram a andar e, cada vez mais, a luz se aproximava. Afinal, chegaram à casa. O burro, como era o maior, foi até a janela e espiou por uma fresta. À volta de uma mesa, viu quatro ladrões que comiam e bebiam. Transmitiu aos amigos o que tinha visto e ficaram todos imaginando um plano para afastar dali os homens. Por fim, resolveram aproximar-se da janela. O burro colocou-se de maneira a alcançar a borda da janela com uma das patas. O cão subiu nas costas do burro. O gato trepou nas costas do cão e o galo voou até ficar em cima do gato.

Depois, a um sinal combinado, começaram a fazer sua música juntos: o burro zurrava, o cão latia, o gato miava e o galo cacarejava. A seguir, quebrando os vidros da janela, entraram pela casa a dentro, fazendo uma barulhada medonha.

Os ladrões, pensando que algum fantasma havia surgido ali, saíram correndo para a floresta. Os quatro animais sentaram-se à mesa, serviram-se de tudo e procuraram um lugar para dormir. O burro deitou-se num monte de palha, no quintal; o cão, junto da porta, como a vigiar a casa; o gato, junto ao fogão, e o galo encarapitou-se numa viga do telhado. Como estavam muito cansados, logo adormeceram.

Um pouco além da meia noite, os ladrões, verificando que a luz não brilhava mais dentro da casa, resolveram voltar. O chefe do bando disse aos demais:
- Não devemos ter medo!
E mandou que um entrasse primeiro para examinar a casa. Chegando à casa, o homem dirigiu-se à cozinha para acender um vela. Tomando os olhos do gato, que brilhavam no escuro, por brasas, tentou neles acender um fósforo. O gato, entretanto, não gostou da brincadeira e avançou para ele, cuspindo-o e arranhando-o. Ele tomou um grande susto e correu para a porta dos fundos, mas o cão, que lá estava deitado, mordeu-lhe a perna. O ladrão saiu correndo para o quintal, mas, ao passar pelo burro, levou um coice. O galo, que acordara com o barulho, cantou bem alto: - Có, có, ró, có!!!!

Sempre a correr, o ladrão foi se reunir aos outros, a quem contou:
- Lá dentro há uma horrível bruxa que me arranhou com suas unhas afiadas e me cuspiu no rosto. Perto da porta, há um homem mau que me passou um canivete na perna. No quintal, há um monstro escuro, que me bateu com um pedaço de pau. Além disso tudo, no telhado está sentado um juiz, que gritou bem alto:
"- Traga aqui o patife!!!"... Acho que não devemos voltar lá... é muito perigoso!!

Depois disso, nunca mais os ladrões voltaram à casa, e os quatro músicos de Bremen sentiam-se muito bem lá, onde faziam suas músicas e viviam despreocupados. De vez em quando alguém das redondezas os chamavam e lá iam eles, felizes e contentes, tocar a sua música...."
 
O IMPORTÂNTE É VOCÊ TODOS OS DIAS CONTAR UMA HISTÓRIA PARA QUE OS ALUNOS SINTAM PRAZER DESDE O PRIMEIRO DIA DE AULA PARA OS ALUNOS ENTRAR EM CONTATO COM A LEITURA DESDE CEDO.

NÓS TEMOS AQUIVOS PARA DOWNLOAD COM 365 HISTÓRIAS AQUI.

Objetivos:
Desenvolver a expressão corporal
Socializar as crianças
Relaxar e aliviar as tensões


Massagem coletiva
Para que as crianças se integrem melhor e relaxem nos primeiros dias de aula, peça que façam uma roda e que se sentem no chão confortavelmente. Oriente duplas a fazer massagens nas mãos, pés e costas do amiguinho. Depois, a dupla inverte e a outra criança é massageada. Assim, os alunos terão mais confiança entre si e sentirão o ambiente escolar muito mais agradável.

ESPERO QUE TENHAM GOSTADO DE MAIS ESSAS DICAS. UM BEIJOS E ATÉ A PRÓXIMA, SE DEUS QUISER. FIQUEM COM DEUS. 
JOELMA COUTO.

Um comentário:

  1. Olá Joelma....
    Estou dedicando um Selinho para vc em meu Blog...
    Passa lá e pega, ok????!!
    Espero que goste!!!!
    Bjssss
    http://taarteira.blogspot.com/2011/12/meu-selinhooo.html

    ResponderExcluir

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin

Folheados