Curta a nossa página!

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

PROJETO MASCOTE DA TURMA!!! SAIBA O QUE VOCÊ PODE TRABALHAR COM ESSE PROJETO!!!

OLHA QUE IDÉIA GENIAL DO GUIA PRÁTICO DE EDUCAÇÃO INFANTIL E DO PORTAL DO PROFESSOR DO MEC. 
ESPERO QUE GOSTEM... MUITAS PESSOAS JÁ TRABALHAM E SE VOCÊ NÃO TRABALHA OU NÃO TRABALHOU COM UM MASCOTE NA SALA DE AULA É HORA DE INOVAR ESSE ANO... 

Projeto Leitor

Nosso mascote


Professora de Atibaia (SP) trabalha Alfabetização, Matemática e valores como amizade e companheirismo a partir de um bichinho de pelúcia


Por Vanessa Prata


Objetivos:
Trabalhar valores com toda a turma
Apresentar à turma o mascote da sala Valorizar a participação de todos
Ter o envolvimento dos pais
Proporcionar aos alunos novas experiências, valorizando toda sua vivência trazida de casa
Trabalhar os eixos qualitativo e quantitativo do nome próprio e dos nomes dos colegas
Desenvolver a oralidade
Faixa etária: 4 anos
Duração: todo o ano letivo


 A professor Roberta Belo, da EMEIF Professor Francisco da Silveira Bueno, de Atibaia (SP), está desenvolvendo durante este ano o projeto Nosso Mascote, com sua turma de 4 anos. "O objetivo é levar à sala de aula um mascote para que sejam trabalhados com valores como cuidado com os outros, companheirismo e amizade, além de ter a participação da família no projeto", conta Roberta. Alfabetização, com o reconhecimento do próprio nome e do nome dos colegas, e conceitos matemáticos, como quantidade e noções de tempo, também estão entre os objetivos da ação. Acompanhe os principais passos do projeto:

 O mascote chega à sala
No início do ano letivo, Roberta levou um sapinho de pelúcia para a sala, dentro de uma caixa, para atiçar a curiosidade dos alunos e para que eles primeiro tentassem descobrir o que havia lá dentro. "Escolhi o sapinho porque sou apaixonada por ele, mas a ideia é usar qualquer mascote que possa criar um vínculo com as crianças", diz a professora. Após mostrar o boneco, Roberta deixou que todos os alunos o tocassem para sentir a textura, e explicou que ele seria o mascote da turma, apresentando ainda algumas regrinhas de convivência com ele e dizendo que, durante o ano, cada aluno poderia levar o bichinho para casa durante um fim de semana.


Sapolino
O próximo passo foi fazer uma votação para escolher o nome do mascote, e o vencedor foi Sapolino! "A partir daí, começamos a trabalhar a identificação das letras iniciais e finais tanto do nome do sapinho como dos nomes dos alunos", conta Roberta. Aos poucos, a professora introduziu as letras intermediárias, para que as crianças pudessem diferenciar "sapo" de "saco", por exemplo, por meio do seguinte trava-língua:
Olha o sapo dentro do saco.
O saco com um sapo dentro.
O sapo pulou do saco.
O saco ficou sem sapo

 Alfabetização e Matemática
Além de trabalhar o nome do Sapolino, Roberta trabalhou os nomes de cada criança, para que eles diferenciassem Gabriela de Giovana, por exemplo. "No início do ano, a maioria dos alunos não conseguia identificar e escrever o próprio nome, hoje o 'ajudante' do dia já pode até entregar as agendas de todas as crianças, identificando o nome de cada uma na capa", conta a professora. Alfabetização e Matemática foram abordadas de forma interdisciplinar em um cartaz com o nome de todas as crianças, em ordem alfabética, que indicava a sequência em que o mascote iria para a casa de cada aluno. Roberta trabalhou com as crianças alguns pontos, como: quantos alunos faltam para chegar sua vez de levar o mascote para casa, quantos alunos já levaram, quantos faltam para levar, que dia da semana estamos, quantos e quais dias faltam para chegar sexta-feira (dia de levar o mascote), quais dias da semana o mascote ficará em sua casa etc. Os eixos Natureza, Sociedade e Matemática foram trabalhados também durante a leitura do livro Eram Dez Girinos (Ed. Ciranda Cultural), em que a professora explorou o contexto da capa e depois solicitou que as crianças localizassem a palavra girino e contassem quantos girinos apareciam nas páginas. "O próximo passo será trabalhar justamente a transformação deles em sapos, ampliando o conhecimento das crianças sobre a natureza também", conta Roberta.

 Bom comportamento
Além dos conteúdos de Alfabetizção e Matemática, a professora também trabalhou regrinhas de bom comportamento, com a visita do pai do Sapolino, o Sr. Sapoleto (outro bichinho de pelúcia), que foi conferir se a turminha se comportava bem, e valores como responsabilidade, amizade e companheirismo. "Os alunos entenderam que precisavam cuidar bem do mascote e trazê-lo no dia combinado, para que outra criança também pudesse levar o Sapolino para casa", afirma Roberta. "E o mais curioso está sendo a mudança que o mascote provoca nas crianças, uma mãe contou que o filho até se alimentou melhor quando o bichinho estava na casa deles".






Professora Roberta Belo 
Diretora Sandra Regina Fernandes



 Tudo registrado
Todas as atividades estão sendo registradas com fotos e textos. Durante o fim de semana em que o mascote fica na casa de cada aluno, por exemplo, os pais devem fazer um relato da visita por escrito. Na segunda-feira, na roda de conversa, a professora lê para a turma o relato feito, e o próprio aluno conta como foi a visita do sapinho. Ao final do ano, a ideia é fazer uma exposição de fotos na escola e um livrinho com o tema Aventuras de Sapolino, para cada criança levar de recordação. "Estou tendo um envolvimento muito bom tanto dos alunos como dos pais e todo o apoio da diretora da escola. Tenho certeza de que ao final do ano os resultados serão ainda mais surpreendentes!", finaliza Roberta.

ESSA SUGESTÃO AGORA É DO PORTAL DO PROFESSOR - MEC.

Mascote: Construção e diário reflexivo

 

Autor e Co-autor(es)

Mariane Patrícia Madeira Lopes 
BELO HORIZONTE - MG ESCOLA DE EDUCACAO BASICA E PROFISSIONAL DA UFMG - CENTRO PEDAGOGICO
Tânia Aretuza Ambrizi Gebara


Estrutura Curricular

Modalidade / Nível de Ensino Componente Curricular Tema
Ensino Fundamental Inicial Pluralidade Cultural Vida sociofamiliar e comunitária
Ensino Fundamental Inicial Alfabetização Formas de organização dos conteúdos
Ensino Fundamental Inicial Alfabetização Papel da interação entre alunos
Ensino Fundamental Inicial Alfabetização Metodologia de resolução de problemas
Ensino Fundamental Inicial Alfabetização Concepção de alfabetização
Ensino Fundamental Inicial Alfabetização Concepção de ensino e aprendizagem
Ensino Fundamental Inicial Alfabetização Concepção de texto
Ensino Fundamental Inicial Alfabetização Evolução da escrita alfabética
Ensino Fundamental Inicial Alfabetização Gêneros de texto
 
 

Dados da Aula

O que o aluno poderá aprender com esta aula
• Conhecer e produzir o gênero diário;
• Trabalhar aspectos da socialização como o trabalho em grupo, respeito e cuidado mútuo.

  • Trabalhar com questões da vida sociofamiliar;
  • Trabalhar a questão de gênero;
Duração das atividades
Cerca de 20 aulas de 50 minutos durante aproximadamente quatro meses.
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno
• Crianças que já estejam com a base alfabética consolidada, que tenham consciência de sílabas, rimas, inícios e terminações de palavras;
• Que utilizem a escrita alfabética;

Estratégias e recursos da aula
Professor (a), esta aula é a primeira parte do Projeto “Mascote: Construção e diário reflexivo”.
1º Construção da mascote:

É necessária a construção de uma mascote, que pode ser um boneco feito em tecido branco, sugiro de 80 cm.
Professor, no caso dessa aula, vamos desenvolver o trabalho com um boneco, mas você pode optar também pela eleição do nome da turma com as crianças e desenvolver o mascote a partir dele.



2º Conversa com as crianças sobre gêneros Masculino e Feminino:
Faça uma roda de conversa com seus alunos e discutam as diferenças entre meninos e meninas.
Ajude-os a levantar as características físicas e depois as sociais problematizando tudo o que diferencia meninos de meninas.
Em uma folha de craft construa um paralelo a partir do que as crianças falam e faça um registro. Ex: 



3º Apresentando a proposta da mascote:3
Em outro momento, faça uma roda de conversa com seus alunos apresentando a mascote da turma. A intenção é que ela seja construída por todos da turma, então será necessário determinar algumas regras básicas. Sugiro:
1ª Cada criança e professor(a) poderá somente fazer 1 única intervenção na mascote.
2º A primeira intervenção feita, pela criança, que for exclusivamente de um sexo ( masculino ou feminino) irá definir sua identidade sexual Ex: se for colocada nela uma saia, então ela será menina.
3º Ela poderá ficar somente dois dias na casa de cada criança, assim todos terão tempo suficiente para fazer com a família a intervenção que quiser.
A mascote será acompanhada de um fichário (onde na capa pode ser feita com pano uma bolsinha para carregá-la) e nele estarão escritas as instruções para serem lidas junto com a família. Você ficará responsável por registrar com fotos todas as mudanças que a mascote receber assim, as crianças terão um suporte visual ao seu texto.
É importante que você leia o texto sala com as crianças. Apresento abaixo o texto que construí com meus alunos:

MASCOTE DO 1º ANO
APRESENTAÇÃO:


Será criado em conjunto com alunos, professores, pais e familiares uma mascote que parte de um boneco em branco, que receberá intervenções de todos os alunos/familiares e professores, para que este se torne não só um objeto de construção coletiva, mas um membro da turma sob o qual todos têm responsabilidade e parte no processo de criação.


OBJETIVO:
• Trabalhar com as crianças a construção coletiva, respeito e cuidado com algo que se caracteriza como patrimônio de todos.
• Utilizar o diário que acompanhará a construção da mascote, como um gênero textual a ser trabalhado pelos alunos.
• Estimular o grupo a ver o mundo como uma construção de responsabilidade de todos que devemos zelar pelo nosso planeta, pensando em si, no outro e no mundo.

TRABALHO A SER DESENVOLVIDO:
1. Conversa com os pais, realizada em reunião, explicitando a proposta, pedindo a colaboração e empenho no sucesso do projeto.
2. Apresentar o boneco às crianças, explicar a proposta de uma forma clara e buscando alcançar os objetivos explicitados acima.

3. Construção de um diário com orientações aos pais sobre o uso e manuseio do boneco, formas de intervir na construção e orientações para que a criança faça o registro da atividade.

4. Após a intervenção de todos os alunos e professores da turma, escolher coletivamente um nome para a mascote e posteriormente, o retorno do mesmo às famílias para que todos vejam o trabalho final.

ORGANIZAÇÃO DA ATIVIDADE:

SUA FAMÍILA RECEBE ESTA SEMANA A MASCOTE DO 1º ANO!
É COM MUITA ALEGRIA E CARINHO QUE NOSSA TURMA ENVIA ATÉ SUA CASA NOSSA MASCOTE PARA QUE ELA SEJA CONSTRUÍDA POR TODOS NÓS!
ANTES DE COMEÇAR, LEIA COM SEU FILHO AS ORIENTAÇÕES ABAIXO. ELE JÁ AS CONHECEU EM SALA, MAS VALE A PENA TODA A FAMÍLIA SABER QUEM É ESTA MASCOTE!
PEDIMOS QUE OBSERVE A LISTA PRESENTE NA PRÓXIMA PÁGINA, OS ITENS QUE PODEMOS ACRESCENTAR A NOSSA MASCOTE E SELECIONE APENAS UM DELES, POIS TODOS OS ALUNOS PRECISAM DEIXAR SUA INTERVENÇÃO NELA.
ABAIXO TEM ESPAÇOS ABERTOS PARA QUE POSSA REGISTRAR SE OPTAR POR FAZER UMA ALTERAÇÃO NA MASCOTE QUE NÃO ESTEJA NA LISTA. REALIZE ESTA TAREFA JUNTO COM SEU FILHO, NÃO SE ESQUEÇA DE REGISTRAR O NOME DE QUEM FEZ A ATIVIDADE (ALUNO OU PROFESSOR)

NÃO SE ESQUEÇA DE AJUDAR SUA CRIANÇA, A REGISTRAR NO DIÁRIO O QUE FOI FEITO QUEM AJUDOU ETC. SERÃO ENVIADAS DUAS FOLHAS PARA ESSE REGISTRO, UMA COMO RASCUNHO, E OUTRA QUE SERÁ COLADA APÓS SER REVISADA, PARA QUE NOSSO TRABALHO FIQUE LINDO NO FINAL! O ESPAÇO PARA FOTO SERÁ DE RESPONSABILIDADE DA PROFESSORA REFERÊNCIA, QUE A CADA RETORNO DA MASCOTE, FOTOGRAFARÁ A INTERVENÇÃO REALIZADA.
A MASCOTE PODE SER ALTERADA CONFORME O MATERIAL DISPONÍVEL QUE VOCÊ E SUA FAMÍLIA POSSUIREM EM CASA: BOTÕES, TINTA DE TECIDO, LÃ, TAMPINHA DE GARRAFA, MIÇANGAS, TECIDOS, MADEIRA, MATERIAIS RECICLADOS, ETC. USE A IMAGINAÇÃO! VAMOS DEIXÁ-LA BEM BONITA, COLORIDA E NOS AJUDE A GARANTIR QUE ELA DURE MUITO TEMPO, PRENDENDO, COSTURANDO OU PINTANTO MUITO BEM O QUE ADICIONAR A NOSSA MASCOTE, AFINAL ELA ACOMPANHARÁ O 1º ANO.
NA ÚLTIMA FOLHA DO DIÁRIO, EXISTE UMA LISTA DE SUGESTÃO DE NOMES PARA NOSSA MASCOTE. VOCÊ PODE VOTAR EM ALGUM QUE GOSTOU OU ESCREVER OUTRAS SUGESTÕES. MAS LEMBRAMOS QUE A ESCOLHA SERÁ FEITA PELOS ALUNOS EM SALA, TÃO LOGO A MASCOTE ESTEJA CONCLUÍDA.
PEDIMOS QUE A MASCOTE VOLTE PARA A ESCOLA NO MÁXIMO EM 2 DIAS, POIS TODOS OS ALUNOS PRECISAM FAZER A INTERVENÇÃO E A EXPECTATIVA É QUE ELA RETORNE DEPOIS DE PRONTA À CASA DE TODOS PARA CONHECEREM O TRABALHO FINAL!
SEI QUE REPRESENTA UM GRANDE TRABALHO, MAS ACIMA DE TUDO, É UM MOMENTO DE ELO ENTRE A ESCOLA, AS CRIANÇAS E AS FAMÍLIAS, E O TRABALHO FINAL SERÁ DE GRANDE CRESCIMENTO A TODOS!
BOM DIVERTIMENTO!


 Você pode organizar os textos de forma bem colorida, enfeitar o diário, com fotos, retalhos de tecidos, etc. Fazer esta atividade com a turma fará com que os alunos se interem de todo o processo. 


4º Trabalhando o diário e a importância do rascunho:
Seus alunos levarão um a cada dia o diário e a mascote para casa. Converse antes com a turma sobre a importância de se fazer um registro de tudo o que acontecer com a mascote. Explique para eles que depois de alguns anos, como eles iriam saber quem fez o que na mascote se não houver registro?
Para fazer um diário bonito, antes eles precisam treinar o que vão escrever, para isto será necessário um rascunho. 


 Quando a criança trouxer o texto e a mascote, pedir a ela que apresente sua intervenção a toda a turma. Faça sempre com eles uma avaliação se aquela mudança define ou não o sexo da mascote: 


 *Cole a foto 5X7 da criança no canto da folha, assim ficará mais fácil para aqueles que ainda não souberem ler identificar o texto do colega.
5º definição do gênero:
Assim que for colocada uma característica específica de um gênero, converse com as crianças para que elas respeitem a decisão e que a partir daquele dia a mascote seja reconhecida como menino ou menina.
6º Escolha do nome:
Após a mascote percorrer a casa de todas as crianças e todas as famílias votarem em um nome para a mesma, faça com a turma uma avaliação dos dados obtidos e junto com eles formalize a escolha do nome da mascote.
*Você pode ainda fazer um trabalho com os nomes e sobrenomes da turma!
7º O diário reflexivo:
Em quatro meses acontecem muitas coisas com a turma não é mesmo? Aproveite as fotos, e todos os fatos relevantes que aconteceram com a turma e recapitule com as crianças oralmente, você pode utilizar as fotos do diário ou ainda dou a dica de uma outra aula minha do portal: ÁLBUM DE FOTOS DA TURMA: REGISTRO, MEMÓRIA E PRODUÇÃO DE TEXTO. Para que você e sua turma possam refletir os itens do diário, do cotidiano escolar e produzirem juntos uma pequena redação em grupos definidos por temas. EX: 



Atividade de Português
Faça agora um pequeno texto com seu grupo contando: O dia que a professora apresentou a mascote para nossa turma: 

 

 

 Caso sua escola possua laboratório de informática, você pode levar seus alunos e ajudá-los a reescrever o texto no computador: 

 

 Dicas:
Acredito que um dos grandes trunfos deste projeto é que o professor embarque na aventura e imaginação de tornar a mascote um membro da turma, como disse um aluno meu: A Nina (nossa mascote) é um amigo imaginário real.

 

 

 

Boa aula!

Recursos Complementares
• Registrador de A-Z;
• Retalhos de pano; Cola quente; lantejoulas; etc.;
• Impressão dos formulários para todos os alunos;
• Foto colorida dos alunos em tamanho 5x7;
• Máquina fotográfica e revelação/impressão das fotos.
• Laboratório de informática para digitação dos textos caso a escola possua.

Avaliação
Processo de construção da mascote:
Professor, você poderá construir seu processo de avaliação a partir das seguintes questões:
A criança respeitou as condições de produção? família leram os textos do fichário da mascote, se todas as informações foram preenchidas (as intervenções realizadas na mascote, a data de recebimento e retorno da mascote, sugestão de nome).

Apresentação da intervenção realizada:
Como a criança se expressou oralmente informando aos colegas o que fez na mascote?, Quem a ajudou?. A apresentação oral FOI condizente com o texto escrito no diário?.

Produção do texto em grupo:
Como foi o trabalho em grupo?, a criança colaborou com os colegas, se esforçou para lembra o fato solicitado? Como ela reagiu diante das fotos? As crianças no estágio inicial de alfabetização, mesmo que oralmente expressaram suas idéias com coerência? 



Um mascote para a turma

 

Autor e Co-autor(es)

Melina Brasil Silva Resende 
UBERLANDIA - MG ESC DE EDUCACAO BASICA 


Estrutura Curricular

Modalidade / Nível de Ensino Componente Curricular Tema
Educação Infantil Linguagem oral e escrita Práticas de leitura
Educação Infantil Linguagem oral e escrita Práticas de escrita
 

Dados da Aula

O que o aluno poderá aprender com esta aula
· Explorar a linguagem oral, escrita e artística;
· Desenvolver noções de responsabilidade e cuidado;
· Incentivar e promover a afetividade;
· Promover a aproximação entre família e escola.
Duração das atividades
Duas aulas de 50 minutos para a introdução da atividade, sendo que a dinâmica do mascote irá permear
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno
Para esta atividade não há necessidade de serem trabalhados conhecimentos prévios.
Estratégias e recursos da aula
A escolha do mascote será realizada pelo professor, mas não será uma escolha aleatória; ela deverá estar associada à dinâmica da turma; suas preferências e assuntos mais relevantes. Procure por um animal, ou bichos de natureza fantástica, pois são interessantes e possibilitam a realização de diversas atividades.
1° Passo:
A chegada deverá se dar em uma atmosfera de curiosidade: coloque o bichinho dentro de uma caixa e deixe-a tampada em cima de uma mesa. Isto aguçará a imaginação dos pequeninos. Faça uma roda de conversa no início da aula e deixe as crianças segurarem a caixa surpresa; diga que ela já estava lá e que deve ser o presente de alguém ou alguma coisa (escolha um personagem de uma história conhecida). Pergunte o que eles acham que deve haver ali dentro, se é pesado ou leve, faz barulhos... Deixe a imaginação fluir. Quando todos já tiverem pegado e dado seus palpites, abra a caixa e tire de lá o mascote. É interessante se lá dentro estiver uma cartinha endereçada àquela turma, e que o remetente foi o tal personagem que mandou a caixa. Nesta carta explique às crianças do que se trata:
que aquele será o mascote da turma; que veio para fazer parte do cotidiano delas e que ele será um companheiro para as brincadeiras dentro da escola e em casa também.
Será um momento muito especial! Elas ficarão maravilhadas por terem recebido um presente tão especial e que ainda poderá visitar suas casas!
Faça o animalzinho circular na rodinha, deixe que todos toquem, cheirem, conversem sobre ele. Explique que ele irá todo dia para casa com um coleguinha, o qual também levará um livro que ele escolher para poder contar a história para o mascote. Neste momento é importante o papel do adulto que mora com a criança, pois ele que irá ler (inicialmente) a história para o aluno e seu novo amigo.
Agora é a hora de combinar as regras para que todos possam brincar e levar para casa. Indague sobre os cuidados que são importantes para a preservação do amiguinho, que é necessário ter responsabilidade de não esquece-lo em casa ou nos ambientes que ele irá visitar. Também explique que junto irá um caderno que servirá para que alguém de sua família escreva como foram aqueles momentos e que depois ele deverá desenha-los. Ele também deve receber cuidados e voltar junto com o bichinho diariamente.
No segundo momento será a escolha do nome. Deixe que cada aluno dê sua sugestão, escreva cada uma delas na lousa e depois faça uma votação com eles. A escolha de quem levará o conjunto mascote + caderno poderá ser realizada através de sorteio ou pela ordem alfabética das letras iniciais de cada nome.
2° Passo:
No dia seguinte, faça a rodinha inicial e peça para que a criança que levou o conjunto fale como foi a visita, se sua família gostou, se o mascote comportou-se bem... Deixe que os coleguinhas façam perguntas, que também se envolvam. Depois leia o caderno e mostre o desenho para a turma. Faça a troca daquele que irá levar para casa.
Neste dia trabalhe a escrita do nome escolhido: em uma folha previamente preparada, peça para que os alunos tentem de maneira espontânea escrever o nome do bicho (dependendo da faixa etária e do grupo alguns colocarão números, letras, desenhos ou rabiscos; este é um importante momento para observar como está a construção da escrita pelos alunos). Após esta tentativa escreva coletivamente o nome na lousa (peça a ajuda deles, fale para cada um dizer a letra que acham q ue é preciso para a escrita). Ainda é possível trabalhar conhecimentos matemáticos perguntando qual a quantidade de letras utilizadas e qual o numeral que serve para escrever.
Por fim, todos fazem um lindo desenho do mascote.
A dinâmica da ida do mascote e do caderno deve ser realizada durante o ano todo, sempre lembrando da importância do cuidado, da responsabilidade de trazê-lo de volta no outro dia e de ler o caderno diariamente durante as rodas de conversa.
Recursos Complementares
· Uma caixa decorada com tampa;
· Um bicho de pelúcia;
· Um caderno pautado.
Avaliação
Observar se as relações interpessoais estão sendo melhoradas, se os alunos estão ampliando suas noções de responsabilidade e cuidados e analisar se construiram conhecimentos acerca do mundo da leitura e da escrita.
ESPERO QUE TENHAM GOSTADO DE MAIS ESSA DICA PARA MELHORAR NOSSA PRÁTICA. OBRIGADA PELA COMPANHIA DE VOCÊS. BEIJOS, JOELMA COUTO.

2 comentários:

  1. OLÁ! GOSTEI MUITO DESSE PROJETO, BEM CRIATIVO E OS RESULTADOS DIVERSOSO. cOLOQUEI UM LINK NO MEU BLOG, ESPERO QUE APROVEM. VENHA CONFIRIR, JÁ SOU SUA SEGUIDORA.
    datiasonia.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Amei seu projeto , ele é riquíssimo, parabéns

    ResponderExcluir

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin

Folheados